sábado, 13 de março de 2010

Vida

"Momentos ruins eu sei que passarei, mas também sei que Bons não vão faltar." - Ygor Aguiar

Vida...
É tão díficil denifini-lá! Mas sei que é muito especial, algo inexplicável. Os filósofos e cientistas ainda não descobriram aonde ela começa. Fecundação, nidação, estado de feto, nascimento, consciência de si mesmo, aonde é que se inicia a vida?

Uma coisa muito interessante é que além de não saberem quando é exatamente o início da vida, desconhecem também o fim dela. A morte seria o fim da Vida? Ou ainda há vida após ela?

Desconhecem o início e o fim dela. Mas o intermediário?

Podemos pensar na vida como um longo caminho, ou até mesmo um extenso livro, aonde nós somos os peregrinos, os escritores.

Nós guiamos nossas vidas, às vezes sem mesmo sabermos como. Mas por mais sábios que possamos ser, é inevitável a existência de ocasiões indesejáveis no decorrer dessa caminhada.

Pensando na vida como um longo caminho... podemos imaginar que no percorrer desse caminho haverá vários desvios com caminhos aparentemente bons no início, mas no final poderá ter fins trágicos. Essas estradas alternativas nem sempre são o melhor a escolher - nem toda opção é digna de aceitação. Haverá também, várias pedras e empecilhos para dificultar a passagem. E ainda poderá existir abismos onde deveremos de alguma maneira tentar ultrapassá-lo. Mas não desista, tudo que passamos não é difícil ou ruim o bastante para que não tenhamos coragem ou força para continuar. Se ainda não tivermos preparados? Aí sim é a hora e o momento certo para o aprendizado.

Pensando na vida como um extenso livro... podemos imaginar que haverá palavras escritas com lágrimas, e páginas manchadas de sangue. Haverá várias rasuras, folhas rasgadas ou em branco. Mas não se preocupe! Pois tristeza, choro e perdas vão acontecer, mas alegrias sorrisos e ganhos não vão faltar. Nesse livro ainda haverá lindas poesias e canções de Amor...

Ygor Aguiar

terça-feira, 2 de março de 2010

3 últimos desejos de Alexandre, o Grande!

"Quando à beira da morte, Alexandre convocou os seus generais e relatou seus 3 últimos desejos:

1 - que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época;
2 - que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistados (prata, ouro, pedras preciosas... ); e
3 - que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos.

Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, perguntou a Alexandre quais as razões. Alexandre explicou:

1 - Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte;
2 - Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;
3 - Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos." ATOR DESCONHECIDO


Dispensa comentários, grande lição eles nos deixou. Em pequenos gestos ele pôde demonstrar valores que atualmente são esquecidos. Verdadeira lição de moral para nós, materialistas, que só nos preocupamos com os bens materiais. Devemos procurar mais a Deus... Dar valor realmente a algo que tenha Valor!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails